Ciesp: Juro alto é estratégia equivocada e irresponsável

“A Selic exagerada, no presente cenário de dificuldades, representa uma estratégia monetária irresponsável perante a população brasileira, cuja prioridade é a criação de empregos, o aumento dos investimentos e a retomada do crescimento econômico.” A afirmação é de Rafael Cervone, presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) e 1º vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), ao analisar o anúncio do Copom, feito nesta quarta-feira (15/6), de aumento de 0,5 ponto percentual da taxa Selic, a qual foi elevada para o patamar de 13,25% ao ano.

Para Cervone, o problema é ainda mais grave se considerado o fato de que a escalada dos juros desde 2021 não está contendo a inflação, pois esta relaciona-se atualmente ao fenômeno de desarticulação de oferta de bens. Ademais, na oferta de crédito já se percebem os impactos desse forte aperto monetário, como é o caso da concessão de empréstimo pessoal e do financiamento imobiliário. Refletindo essa ação descabida da política monetária, as expectativas para a atividade econômica no segundo semestre e para 2023 não são positivas. “Pelo contrário, as expectativas são de um crescimento do PIB em 2022 próximo a 1,5% e, para o próximo ano, as projeções apontam um avanço de apenas 0,8%”, pondera Cervone.

Para a indústria de transformação, o cenário é ainda mais desafiador, pois, além de já enfrentar questões relativas aos problemas de oferta de insumos e custos elevados, precisa lidar com esse substancial aperto monetário, o qual afeta os canais de crédito, fundamentais à dinâmica do setor. Sempre é importante destacar: os efeitos negativos do aumento da taxa de juros sobre a manufatura são mais expressivos do que para a economia como um todo.

O cenário de lentidão do crescimento deverá manter o desemprego em patamar bastante elevado ao longo deste ano e do próximo, argumenta o presidente do Ciesp, ressaltando: “Isso é péssimo para um país com cerca de 11 milhões de desempregados, que já vinha exibindo baixo crescimento antes da pandemia e que precisa conquistar aumento expressivo do PIB para reverter a preocupante expansão do contingente de habitantes abaixo da linha da miséria”, conclui o presidente do Ciesp.

Sobre o Ciesp: entidade fundada em 1928 e que hoje representa cerca de 8 mil indústrias do Estado de São Paulo.