Skaf: empresários precisam ter sinergia para superar gargalos - CIESP

Skaf: empresários precisam ter sinergia para superar gargalos

A sinergia do empresariado brasileiro, por meio de entidades de classe como o Centro e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp/Fiesp), reforça a representatividade do setor privado para superar gargalos que impedem o crescimento econômico do País. A afirmação é de Paulo Skaf, presidente das entidades, que nesta terça-feira (4) participou de almoço com representantes de empresas associadas ao Centro das Indústrias.

“É muito bom que os empresários se envolvam mais com estas casas da indústria. Mas participar não se limita à filiação”, indicou. Segundo ele, as entidades têm como princípio o exercício democrático. “Muitas pessoas pensam que basta exercer o dever cívico de votar no dia da eleição. E esquecem que o cidadão tem de cobrar, exigir, como fizemos para derrubar a CPMF”, relembrou.







Kênia Hernandes
O encontro mensal, em São Paulo, reuniu 105 executivos de companhias ligadas às diretorias do Ciesp na Área Central da Capital, Bauru, Cubatão, Jaú, Piracicaba, São Bernardo do Campo e São João da Boa Vista.

Na pauta de discussões, temas como a alta carga tributária, correspondente a 35,8% do PIB, e a falta de incentivos à inovação tecnológica, hoje correspondente a apenas 0,54% da riqueza nacional.

“É importante debater as questões e buscar soluções. Nesse sentido, temos trabalhado fortemente no interior, através do nosso Ciesp, do Sesi e do Senai”, disse Skaf. “Nosso trabalho é voluntário, mas tem como pagamento a satisfação de ajudar o Brasil em educação profissional, em produtividade, na geração de empregos e na redução de impostos. É este espírito que nos estimula”, disse, incitando os empresários a participarem mais ativamente das entidades.

‘Exército do bem’
Paulo Skaf ressaltou que o aumento de empresas filiadas ao Ciesp – por meio de sua nova política de expansão do quadro associativo, que neste ano incorporou cerca de 400 novas companhias – reforça o peso do segmento nos debates sobre temas nacionais. “Fico muito feliz de receber sempre mais companheiros para esse exército do bem, que não discute interesses individuais, mas temas do Brasil, da sociedade, de Estado”, declarou.
 







Kênia Hernades
De acordo com o dirigente, a união empresarial enrijece a representatividade da iniciativa privada no cenário nacional, destacando o Ciesp e a Fiesp como atores importantes para as relações externas do País. Como exemplo, Skaf citou a adoção das entidades como espaços diplomáticos relevantes para reuniões entre chefes de Estado.

 

Na última semana, os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Michelle Bachelet participaram do Encontro Empresarial Brasil-Chile, na sede das instituições, na capital paulista. “Isso mostra a força da indústria, que tem sido respeitada não só em âmbito municipal, estadual e nacional, mas também no internacional”, avaliou o líder empresarial. Também visitaram o Ciesp e a Fiesp, este ano, os mandatários de Argentina, Colômbia, Holanda, Paraguai e Senegal.

Nivaldo Souza, Agência Ciesp de Notícias