Panamá pode abrir portas da América Central para empresas brasileiras - CIESP

Panamá pode abrir portas da América Central para empresas brasileiras

Empresários de dez estados brasileiros assistiram, na manhã desta terça-feira (20), ao seminário de lançamento da Exposição Comercial Internacional do Panamá – Expocomer 2009. O objetivo deles foi obter mais informações sobre a feira de negócios do vizinho caribenho, que acontece entre 4 e 7 de março.

 


A 27ª edição da Expocomer pretende consolidar o país centro-americano como importante canal de acesso a América Central, e reforçar a imagem de único ponto do mercado global que oferece 144 rotas marítimas pelo corredor interoceânico que liga o Atlântico e o Pacífico, via utilizada por 80 nações.


 


Para o diretor de relações internacionais e comércio exterior da Fiesp, José Augusto Corrêa, o Panamá é “estratégico” para o empresariado nacional diversificar sua plataforma de atuação ante um cenário de crise financeira.


 


“Estamos num momento que pode ser visto de duas maneiras. Há os pessimistas que pensam: ‘Minha empresa está com menos clientes’. E os que sabem que precisam de novos mercados. O Panamá é um ponto de convergência do comércio mundial e o acesso dos países vizinhos a esse ponto estratégico é fácil”, avaliou Corrêa.


 


A balança comercial entre o Brasil e a América Central movimentou cerca de US$ 7 bilhões em 2008, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).


 


Embora com fluxo muito baixo perto do recorde de US$ 371 bilhões alcançado pelo país no ano passado, a relação bilateral com o Panamá quase duplicou em um ano: US$ 35 milhões. O saldo é positivo para o lado brasileiro, com US$ 31 milhões.


 


A Expocomer é via obrigatória para se obter representação comercial de produtos no mercado panamenho, o que posteriormente pode beneficiar os brasileiros com acesso a Zona de Livre Comércio de Colón, a maior do Ocidente e a segunda do planeta.


 


O seminário realizado na sede do Centro e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp/Fiesp) foi acompanhado no auditório das entidades e por videoconferência transmitida em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN). Os interessados em participar da feira têm até 30 de janeiro para se inscrever.


 


Canal de exportação


Em 2007, o Produto Interno Bruto (PIB) do Panamá cresceu 9,5% – acima da média latino-americana (5,5%) – atingindo volume de US$ 19,6 bilhões. O país tem 3,4 milhões de habitantes e renda per capita de US$ 5,8 mil.


 


O controle total do Canal do Panamá foi assumido em 2002, até então estava sob comando dos Estados Unidos, iniciando uma fase de investimentos em infraestrutura para tornar o país um ponto logístico ainda mais atraente.


 


De acordo com a embaixadora Maria Estela De La Guardia, os segmentos de serviços e construção civil são os principais impulsionadores econômicos de seu país. “O Panamá está literalmente em construção”, afirmou. O setor de construção representou 5% do PIB de 2007.


 


O vizinho centro-americano possui acordos bilaterais com diversos países e negocia novas parcerias comerciais com a União Européia e a Comunidade e Mercado Comum do Caribe, o Caricom, formado por 14 países-membros e seis associados. Mudanças na legislação das áreas fiscal, trabalhista e portuária também estão sendo implementadas para incentivar a entrada de capital externo.


 


Serviço


Missão Empresarial Prospectiva à Feira EXPOCOMER 2009


Local: Panamá


Informações: Área de Promoção Comercial e Investimentos Ciesp/Fiesp, com Vânia Lopes e Camila Anaya


Contato: (11) 3549 3246/4620 ou missaoexpocomer@fiesp.org.br e cin@fiesp.org.br


 


Nivaldo Souza, Agência Ciesp de Notícias