Nota Oficial: Governo de São Paulo cogita aumentar o preço do gás natural - CIESP

Nota Oficial: Governo de São Paulo cogita aumentar o preço do gás natural

 

Para a Fiesp, momento é inoportuno
 
Em razão de rumores quanto a um provável aumento no preço do gás natural, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) manifesta-se radicalmente contrária à intenção do governo de São Paulo, que pretende acompanhar política de reajustes periódicos da Petrobrás.
 
Trata-se de um momento economicamente inoportuno, no qual o pretendido reajuste poderá trazer graves conseqüências à sociedade, como inflação e desemprego. Esse aumento no custo do gás natural causará impacto direto em setores como: cerâmica de revestimento, fertilizantes, medicamentos, vidros planos e alumínio.
 
“Nesses casos, o repasse ao consumidor poderá chegar a 30% do valor dos produtos. Se isso acontecer, essa alta não penalizará apenas as indústrias, como também a população no consumo residencial. Um encarecimento que a sociedade não aceita, especialmente diante da crise econômica que estamos enfrentando”, alerta Paulo Skaf, presidente da Fiesp.
 
A entidade defende que a formação de preços do gás natural deve ser transparente, de conhecimento e controle público, cabendo a intervenção do Governo Federal, no sentido de regulamentar sua definição de valor.
 
A Fiesp propõe, ainda, a busca de justa solução para o desequilíbrio econômico alegado pelas empresas concessionárias do Estado de São Paulo que, forçadas pelo reajuste trimestral de preços praticado pela Petrobrás, são levadas a buscar equivalentes aumentos na Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp).
 
Agência Ciesp de Notícias
28/11/2008