Modelo atual de guerra fiscal é ultrapassado, a novidade é guerra dos portos, afirma Skaf - CIESP

Modelo atual de guerra fiscal é ultrapassado, a novidade é guerra dos portos, afirma Skaf

 

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O presidente do Centro e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp e Fiesp), Paulo Skaf, afirmou na quinta-feira (30) que o modelo atual de guerra fiscal entre os estados está esgotado e a nova preocupação para a indústria é a guerra dos portos.

Skaf participou do seminário Guerra Fiscal: Uma batalha sem vencedores na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O encontro reúne autoridades e representantes da indústria para discutir modalidades que afetam a produção industrial brasileira, como a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na importação, elevando a entrada de produtos importados.

“A guerra fiscal dos estados trouxe desenvolvimento, descentralizou, mas isso passou e o modelo hoje é ultrapassado, um modelo prejudicial a todos”, afirmou Skaf ao acrescentar que “a novidade hoje é a guerra fiscal dos importados que não está gerando emprego em território brasileiro, mas está gerando emprego em território estrangeiro.”

O presidente da Alesp, deputado Barros Munhoz, alertou que a guerra fiscal, sobretudo a dos portos, está “asfixiando o nosso estado, a nossa produção”.

Alíquota

Governos e indústria têm sinalizado que uma alíquota de 4% na origem possibilita crescimento equilibrado dos estados brasileiros. Em discurso de abertura do seminário, Paulo Skaf afirmou que para acabar com a guerra fiscal é necessária uma alíquota entre 3% e 4%.