Missão empresarial tem inscrições até o dia 13 de março - CIESP

Missão empresarial tem inscrições até o dia 13 de março

O Centro e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp e Fiesp) vão levar, em abril, uma missão comercial de empresários brasileiros ao Chile, com o intuito de incentivar o pequeno e o médio industrial a internacionalizar sua atividade produtiva e, assim, avançar sobre novos mercados, beneficiando-se de acordos de livre comércio que o vizinho sul-americano mantém com 48 países e blocos econômicos.

“A ideia é apresentar o Chile como plataforma de exportação”, antecipa o diretor de comércio exterior do Ciesp, Ricardo Martins, coordenador da missão que conta com o apoio do Itamaraty, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Segundo Martins, por estar “atrelado ao Mercosul”, o Brasil tem dificuldade para exportar para países de fora do bloco econômico, que não permite assinatura de acordos de livre comércioisolados para escapar de taxas e impostos que encarecem os produtos brasileiros nas prateleiras do mercado global.

“A vantagem do Chile são os acordos econômicos, que permitem aos produtos que saem de lá, desde que cumpram requisitos de origem, entrar nos mercados parceiros sem pagar imposto de importação. É uma grande vantagem, porque em alguns casos as alíquotas chegam a 35%. Podemos adaptar essa facilidade do Chile [associado ao Mercosul] para exportar nossos produtos”, avalia.

Joint venture
Para se beneficiar dos acordos, os produtos brasileiros têm de passar por um novo processo de transformação para serem classificados como de origem chilena.

“É preciso mandar o produto e mudar o código de classificação NCM, código internacional que identifica cada um dos produtos. Por exemplo, mandar tecido e exportar calça. Ou seja, é necessário agregar valor ao produto para que ele possa ser considerado de origem chilena e, assim, ser exportado”, explica Martins.

Não é necessário que o industrial brasileiro abra uma empresa no Chile para estabelecer uma unidade produtiva. Nesse sentido, o diretor do Ciesp avalia que a melhor alternativa para pequenas e médias empresas é se associar com parceiros locais ou terceirizar determinados serviços.

“Eu preferiria encontrar um parceiro chileno, iniciar um trabalho e depois avaliar a possibilidade demontar uma unidade produtiva própria. Pode-se até montar uma joint venture inicialmente, pois isso facilita muito as coisas”, sugere.

No limite
O setor produtivo chileno está no limite de sua capacidade. O alerta foi feito por empresários e representantes do governo, que em fevereiro participaram de seminário sobre investimentos no país, realizado na sede do Ciesp e da Fiesp, em São Paulo.

“Temos um grande mercado para exportação [de móveis, calçados, tecidos, entre outros], mas nos faltam produtos”, alertou na ocasião o gerente de comércio exterior da Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa), Hugo Baierlein Hermida.

O Chile não tem conseguido utilizar seus acordos para aumentar ainda mais suas exportações em função de limitações em sua capacidade produtiva. Esse vácuo é apontado como um flanco por onde os produtos brasileiros podem avançar no exterior.

Bloco
Para o diretor do Ciesp, a ida de empresas brasileiras para o país vizinho é benéfica para todos os envolvidos, principalmente para o Mercosul, que se fortalece como bloco econômico. Mas para isso, Ricardo Martins ressalta que é preciso vencer barreiras nacionalistas.

“Quando se fala em mercado comum, como o Mercosul, o foco é desenvolver o bloco econômico como um todo. Enquanto pensarmos que o Brasil saí perdendo empregos e renda por aproveitar oportunidades comerciais Paraguai ou no Chile, não caminharemos para um mercado comum forte como a Europa, na verdade, pensando assim, não passaremos de uma simples união aduaneira.”, defende.

Clique aqui e leia entrevista do diretor de comércio exterior do Ciesp, Ricardo Martins, sobre a Missão Empresarial Brasil-Chile.

Serviço
Missão Empresarial Brasil-Chile: Plataforma de Exportação
Data: de 1° a 3 de abril
Local: Santiago, Chile
Informações: (11) 3549-4360/4616
Inscrições: http://www.braziltradenet.gov.br/

Nivaldo Souza, Agência Ciesp de Notícias