Lideranças mundiais devem limitar produção de carbono para reduzir gases poluentes - CIESP

Lideranças mundiais devem limitar produção de carbono para reduzir gases poluentes

O ex-ministro de Relações Exteriores, Rubens Ricupero, afirmou nesta segunda-feira (28), durante o Painel de Sustentabilidade, no Congresso da Indústria da Fiesp e do Ciesp, que a emissão de gases poluentes só poderá ser reduzida e eliminada caso as lideranças mundiais estipulem limites quantitativos para a produção de carbono, inclusive para os países emergentes, que atualmente não possuem metas nesse sentido.

“Os governos devem fixar taxas apropriadas às empresas e indivíduos pela emissão de poluentes. São posições firmes como esta que esperamos do COP 15 no fim deste ano”, ressaltou Ricupero.

Segundo ele, a medida incentivaria novos mercados, voltados à regulamentação de práticas ambientalmente corretas, como o comércio de certificados de origem. “Espera-se para este tipo de empreendimento uma receita superior a U$ 3 trilhões e, ainda, o fim dos 250 milhões de dólares gastos anualmente pelas potências para sanar os danos ao meio ambiente.”

Na opinião do ex-ministro, o resultado destas iniciativas serão tecnologias mais avançadas e limpas, principalmente no Brasil, que possui vantagens competitivas no segmento. “Temos a maior floresta equatorial do mundo, umas das mais importantes redes fluviais, matriz energética limpa e, o mais importante, produção em escala industrial do biocombustível etanol”, destacou Ricupero. “Somos uma potência ambiental inata.”

Os números são ainda mais otimistas para o País. Segundo o ex-ministro, 45% da energia do Brasil vêm de fontes renováveis, enquanto que a média mundial é de 13% e apenas 6,7% nas economias avançadas. “Não temos o direito de desperdiçar tamanha capacidade. Enquanto nossa estrutura energética já está consolidada, as demais nações investem bilhões de dólares para pensarem em nos alcançar”, concluiu.

Thiago Eid, Agência Indusnet Fiesp