III Congresso da MPI: A crise afeta quem estava ganhando dinheiro com especulação, afirma diretor da Fiesp - CIESP

III Congresso da MPI: A crise afeta quem estava ganhando dinheiro com especulação, afirma diretor da Fiesp

 

 

Ricardo Martins, do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior, lembra que a economia real não sofreu absolutamente nada

Os efeitos da crise internacional não devem ser tão pesados para quem acreditou na produção em vez de ganhar dinheiro fácil negociando papéis no mercado financeiro.

A análise foi feita nesta terça-feira (7) pelo diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior, Ricardo Martins. Ele participou das discussões sobre exportação, importação, câmbio e juros, realizadas no III Congresso da Micro e Pequena Indústria da Fiesp.

Martins lembrou que o setor produtivo brasileiro foi extremamente penalizado nos últimos anos pela taxa de juros desalinhada, “resultante de uma reação exagerada da política monetária brasileira frente à inflação”, e pelo câmbio apreciado.

“Era evidente que a valorização do real frente ao dólar não tinha respaldo na realidade, assim como a desvalorização de 25% da moeda nos últimos três dias também é inconsistente”, analisou Martins, que se disse confiante de que a moeda americana deverá se estabilizar em torno de R$ 1,90 nas próximas semanas.

Humberto Barbato, presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, aconselhou: “Não comprem dólares, não vendam ações. A estratégia, agora, é esperar”.

 

Leia mais
Bancos garantem crédito às micro e pequenas empresas brasileiras

Déficit de formação também atinge empresariado e é barreira ao segmento
 
Exportação das PMEs deverá crescer 10% até 2010
Sílvia Lakatos
Agência Indusnet Fiesp
07/10/2008