Governo anunciará plano para construção de um milhão de moradias, diz Lula - CIESP

Governo anunciará plano para construção de um milhão de moradias, diz Lula

O governo federal deve anunciar nos próximos dias um plano nacional de habitação que prevê a construção de um milhão de moradias em todo o País, informou nesta segunda-feira (2), na Fiesp/Ciesp, o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula afastou a hipótese de reduzir investimentos previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2009, em razão da crise financeira, e também garantiu que o governo não cortará os recursos destinados à Petrobras.

“Para mostrar que não estamos brincando, vamos anunciar um programa para construir um milhão de casas populares no Brasil. E, aqui, lanço um desafio aos empresários brasileiros”, afirmou o Presidente da República, após encontro com o primeiro-ministro dos Países Baixos, Jan Peter Balkenende, na sede das entidades, em São Paulo.

Lu
la não mencionou detalhes do investimento, tampouco em que período as moradias serão construídas, mas garantiu que será uma iniciativa como nunca antes feita no Brasil.

“Vão dizer que não é possível construir um milhão de casas. Mas vamos mostrar que sim, porque durante muitas décadas a construção civil brasileira foi desmontada, e agora estamos em processo de recuperação”, defendeu.

Durante o encontro fechado entre as comitivas dos dois países e a diretoria da Fiesp, o dirigente do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic), José Carlos de Oliveira Lima, assegurou ao Presidente Lula que “estamos preparados tecnologicamente para atender essa demanda”, referindo-se à proposta.

Incentivo à produção

Lula destacou a necessidade do envolvimento de empresários, trabalhadores e governo para uma retomada da economia brasileira. “Queremos criar as condições para que a indústria volte a produzir, e isso só será possível se conseguirmos passar confiança ao povo brasileiro”, reforçou.

Otimista em relação à crise, ele acredita que o primeiro trimestre de 2009 é o “mais delicado”. E tem convicção de que o saldo de empregos será positivo no final do ano: “A crise abre um leque de oportunidades para fazer coisas que, em tempos de normalidade, tínhamos dificuldade de discutir”.

O Presidente defendeu que não há uma crise generalizada no Brasil e lembrou que o governo está há alguns meses discutindo a renovação de frota de caminhões, e a renovação da chamada “linha branca” de eletrodomésticos, como geladeiras, fogões e máquinas de lavar, para incentivar a produção.

Aviação
Questionado sobre o caso da Embraer, que dispensou 4 mil funcionários na última semana, Lula disse que a situação é diferente, já que a empresa destina 90% de sua produção ao exterior.

“Na medida em que as encomendas foram suspensas, a empresa teve que dispensar. As críticas que tinha que fazer, já fiz. Agora precisamos resolver o problema da aviação regional no Brasil”, enfatizou.

Segundo ele, o governo deve pensar uma forma de fazer com que as empresas nacionais passem a comprar os aviões da companhia, para absorver a produção.

“É um desafio para nós brasileiros, pensar como utilizar os aviões da Embraer em voos regionais. O governo vai promover essa discussão interna”, sinalizou.

 


Leia mais

 







 

 

Mariana Ribeiro, Agência Ciesp de Notícias