Gabrielli: Expansão do petróleo deve impulsionar indústria nacional - CIESP

Gabrielli: Expansão do petróleo deve impulsionar indústria nacional

Começou nesta terça-feira (19) a quarta edição da Santos Offshore Oil & Gas Expo, maior evento no setor de petróleo e gás do Estado de São Paulo e terceira maior feira do país. O evento reuniu autoridades do Estado e da Baixada Santista, além de empresários ligados à cadeia petrolífera.

O diretor de Infraestrutura do Ciesp, Julio Diaz, representou as entidades da indústria e falou sobre a pujança que a região vem consolidando no desenvolvimento do setor de P&G.

“Com o advento do pré-sal, Santos está ganhando muito mais importância. O estado de São Paulo será um polo extremamente importante do setor de petróleo e gás nos próximos anos”, afirmou Diaz.

Participaram da abertura o Secretário de Desenvolvimento e Assuntos Estratégicos da Prefeitura de Santos, Márcio Lara, o Secretário de Desenvolvimento do Estado de São Paulo, Luciano Almeida, o senador Aloísio Mercadante e o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.

Gabrielli aproveitou a oportunidade para anunciar o início das operações comerciais no campo de Tupi até o final de outubro. A reserva já produz 14 mil barris de petróleo, experimentalmente, desde 1° de maio de 2009. A Bacia de Santos detém a maior parte dos 33 bilhões de dólares de investimento da Petrobras só nas áreas do pré-sal, com aporte de 5 a 6 bilhões de dólares por ano até 2014.

Efeito em cadeia
A companhia recentemente revisou seu plano de negócios para US$ 224 bilhões, previstos para este e os próximos quatro anos – pelas contas do presidente da Petrobras, o montante representa um investimento de mais de R$ 1.600 por segundo. Mas o cumprimento desse plano, segundo ele, depende diretamente da rede de fornecedores.

“Esse volume de investimentos vai, em vários segmentos da cadeia, atingir o limite da capacidade mundial de fornecimento”, alertou Gabrielli. “Para atender nossa demanda no tempo que precisamos, vários dos nossos segmentos precisarão também aumentar a sua capacidade”, frisou.

É nesse contexto que ganha importância a discussão sobre a participação da indústria brasileira no processo. Hoje, o requisito de conteúdo nacional está em torno de 65%. Para Julio Diaz, do Ciesp, esta é uma importância estratégica para o país.

“Especialmente a indústria paulista, que não tinha uma participação tão relevante. E que fique bem claro, esse desenvolvimento não é específico do setor de petróleo e gás. Ele será uma grande alavancagem, mas a indústria como um todo tem que responder a esse apelo”, afirmou o diretor.

A Petrobras iniciou um processo de licitação para a aquisição de 28 sondas de alta profundidade, que serão produzidas no Brasil. Além das 27 sondas já contratadas no exterior para serem entregues em 2012, as 28 adicionais – que custarão cerca de 500 a 800 milhões de dólares cada uma – devem ficar prontas após 2014, até que a indústria brasileira tenha capacidade de fornecê-las.

“Nesta lógica de forçar o crescimento da cadeia, temos uma política muito clara: a necessidade de que esse adicional de capacidade seja predominantemente construído no Brasil. E é por isso que estamos exigindo crescentemente conteúdo nacional no nosso projeto”, defendeu José Sergio Gabrielli.

Feira
A Santos Offshore vai até sexta-feira, dia 22. Entre os destaques da programação, estão a Rodada de Negócios nesta quarta-feira (20) – com 18 grandes compradores, 93 pequenas empresas e expectativa de fechar mais de 250 negócios – e o Canal Fornecedor da Petrobras, que terá atendimento diferenciado a associados Ciesp. Nesta edição, 315 empresas e organizações expõem na Feira, com visitação aberta ao público das 14h às 21h. A programação completa está disponível no site do evento.

Mariana Ribeiro, Agência Ciesp de Notícias