Estudo de mercado e pesquisa patentária são as novidades do Edital Senai - Inovação 2008 - CIESP

Estudo de mercado e pesquisa patentária são as novidades do Edital Senai – Inovação 2008

 

Com o objetivo de proporcionar ganho tecnológico e produtividade na indústria, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) lançou, na última segunda-feira, o Edital Inovação 2008 – voltado, principalmente, para pequenas e médias empresas. A finalidade do programa é destinar recursos para promover pesquisa e desenvolvimento (P&D) nas indústrias, em parceria com os Departamentos Regionais do Senai.

 
De acordo com Celso Scaranello, técnico da Gerência de Tecnologia Industrial do Senai-SP, o engajamento da indústria na iniciativa é fundamental. “Essa articulação é importante, porque os produtos desenvolvidos têm que ser industrializados. A inovação só se caracteriza a partir do momento em que faz sentido no mercado”, expõe.
 
Uma das exigências da quinta edição do edital é o envolvimento de técnicos tanto da empresa quanto do Senai na elaboração e realização do projeto. “É preciso desenvolver a proposta em parceria, com contrapartida das duas partes. Não adianta desenvolver um projeto apenas conceitual. Ele deve ser aplicado de forma prática, que é a razão do Senai”, explica Scaranello.
 
Segundo ele, a missão da entidade é descobrir onde estão as grandes idéias das empresas. Para isso, o edital deste ano inclui a obrigatoriedade do relatório de pesquisa patentária – importante para garantir o diferencial tecnológico dos processos e produtos desenvolvidos. “Os projetos devem partir de uma idéia, e essa exigência é um estímulo ao desenvolvimento de produtos inéditos, ou de upgrades do que já existe no mercado”, orienta. “Devemos ter cautela com a palavra inovação. Para que um projeto seja inovador, deve ter aplicabilidade, ineditismo e, sobretudo, deve ser um produto de valor agregado, acessível ao consumidor”, define o técnico do Senai. A pesquisa de anterioridade é limitada às patentes registradas no Brasil e deve ser realizada através da base de dados do INPI.
 
Análise de mercado
A necessidade de elaboração de um plano de negócios, contendo estudo de viabilidade e comercialização do novo produto, é mais uma novidade do edital 2008, e possui caráter eliminatório. “É um critério para que a empresa identifique se vale a pena colocar dinheiro no projeto. Dessa forma, incentivamos idéias mais maduras”, explica Scaranello. O estudo inclui estratégias de mercado, análise de riscos e avaliação dos ganhos proporcionados pela incorporação da inovação na linha de produção da empresa.
 
Para o técnico, investir em tecnologia é sinônimo de competitividade no mercado nacional. “Não existe a cultura da inovação no meio empresarial, principalmente no âmbito das PMEs. Começar a estudar o tema pode significar o diferencial da empresa num mercado cada vez mais competitivo”, diz. Para ele, outra grande vantagem de participar do edital é o aprendizado – já que muitas empresas não participam dos programas de incentivo do governo por não saberem elaborar projetos. “A idéia é criar um sinergismo entre iniciativa privada e Senai. O principal benefício é a possibilidade de parceria com as escolas que fornecem a tecnologia dos produtos, para que, juntos, construam um projeto vencedor”, sublinha.
 
O Senai nacional vai destinar uma verba de R$ 2,5 milhões para financiar os projetos selecionados, e os recursos vão ser divididos entre as propostas com maior pontuação, segundo critérios como impacto de mercado, caráter inovador e parcerias com outras instituições. O valor máximo por projeto é de R$ 200 mil.
 
Qualquer empresa pode se inscrever, independentemente de porte ou setor, desde que estabeleça previamente uma parceria com a unidade regional do Senai. O prazo final para o envio das propostas é 15 de maio.
 
Clique aqui para ver o Edital Senai – Inovação 2008
 
Agência Ciesp de Notícias
Mariana Ribeiro
21/02/2008