"Espero que seja só o começo", afirma Paulo Skaf sobre o Plano Brasil Maior - CIESP

“Espero que seja só o começo”, afirma Paulo Skaf sobre o Plano Brasil Maior

“Como um processo inicial foi positivo, mas o plano precisa ser complementado, pois ainda é insuficiente. Espero que seja só o começo”. Esta foi a ponderação de Paulo Skaf após o lançamento do Plano Brasil Maior, realizadonesta terça-feira(2) pelo Governo Federal. O presidente da Fiesp/Ciesp disse que segue confiante no anúncio de futuras medidas por parte da administração de Dilma Rousseff.

Em Brasília, Skaf acompanhou a divulgação do Plano de incentivo à produção industrial. Um dos pontos destacados pelo presidente foi o programa Reintegra, que irá devolver tributos a empresas exportadoras.

Skaf avaliou também que a desoneração da folha de pagamento necessita ser ampliada a todos os setores e não apenas aos quatro já anunciados (confecções, calçados, móveis e softwares).

No entanto, alguns itens da pauta de reivindicações da entidade ainda não foram atendidos, segundo o presidente. Entre eles está a ampliação do teto do Simples Nacional, que permitirá que um contingente maior de micro e pequenas empresas possam usufruir das vantagens fiscais do regime.

Skaf lembrou de outros assuntos que devem merecer mais atenção por parte do governo, principalmente o câmbio: “Vilão da competitividade brasileira”. Outro entrave ao desenvolvimento do setor produtivo, segundo ele, é o custo elevado da energia no Brasil, problema não enfrentado no plano governamental.

O presidente da Fiesp/Ciesp também sinalizou que gostaria de ver implantadas as propostas citadas pela presidente Dilma Rousseff para a defesa comercial, que incluem combate à pirataria e a adoção de medidas antidumping e que evitem o subfaturamento.

Agência Ciesp de Notícias