Edital para concessão do trem de alta velocidade entre Rio-SP-Campinas será lançado no 1º semestre de 2009 - CIESP

Edital para concessão do trem de alta velocidade entre Rio-SP-Campinas será lançado no 1º semestre de 2009

O trem de alta velocidade que ligará as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo voltou à pauta de discussões com uma inclusão: a extensão até Campinas (SP). A linha terá 518 quilômetros de extensão, com investimento previsto de US$ 11 bilhões.

 
Segundo o diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Noboru Ofugi, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) realiza estudos técnicos e econômicos de viabilidade, e o edital de licitação para a concessão da linha deve sair até junho de 2009.
 
“A idéia é que alguma coisa possa estar pronta até a Copa do Mundo de 2014. Mas a conclusão do trecho São Paulo-Campinas já seria um avanço significativo”, afirmou Ofugi na manhã desta quarta-feira (26), durante o 6º Seminário sobre Ferrovias, realizado pelo Ciesp e a Fiesp.
 
Entre os outros projetos em andamento, destacam-se:
 
– A ferrovia Transnordestina, que liga o interior do Piauí aos portos de Pecém (CE) e Suape (PE), com conclusão prevista para dezembro de 2010;
 
– A ferrovia Norte-Sul, que terá 2.760 km entre Belém (PA) e Panorama (SP). Atualmente, a exploração do trechode Açailândia, no Estado do Maranhão, até Palmas no Estado do Tocantins (720 km), tem subconcessão da mineradora Vale, e deve ser concluído até o final de 2009;
 
– A reativação dos ramais ferroviários Bauru-Tupã e Piracicaba (SP);
 
– A implantação do contorno ferroviário de Araraquara (SP), visando à eliminação dos conflitos decorrentes da convivência da população local com a ferrovia que corta a cidade;
 
– O contorno ferroviário do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).
 
Competitividade
O estado de São Paulo tem a maior malha ferroviária do país cruzando toda a sua extensão, mas um baixo índice de cargas paulistas transportadas pelas concessionárias. A constatação é do secretário-adjunto de Desenvolvimento, Luciano de Almeida, que também participou do 6º Seminário sobre Ferrovias.
 
“Há uma redução da competitividade dos produtos paulistas frente aos outros estados com acesso às ferrovias, e pouca motivação para implantação de novos ramais e projetos de multimodalidade”, afirmou o secretário. Com o diagnóstico, ele colocou como prioridade as mudanças no marco regulatório do setor e a construção de ramais no interior paulista para captação das cargas.
 
A conclusão dos contornos da região metropolitana de São Paulo, com os Tramos Sul e Norte do Ferroanel, está sendo estudada pela Secretaria de Desenvolvimento do estado. A proposta, segundo Almeida, é iniciar com o Ferroanel Sul e o chamado “Mergulhão” – túnel subterrâneo que prevê a passagem dos trens de carga por baixo da Estação da Luz, no centro da capital. O investimento total das duas obras é de R$ 1,6 bilhão, e a principal vantagem é reduzir as cargas rodoviárias com destino ao Porto de Santos.

Interior reivindica terminais ferroviários para alavancar economia

 
Mariana Ribeiro
Agência Ciesp de Notícias
26/11/2008