Crise ficou para trás, diz Paulo Skaf durante encontro com empresários - CIESP

Crise ficou para trás, diz Paulo Skaf durante encontro com empresários

O presidente do Centro e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp/Fiesp), Paulo Skaf, participou nesta sexta-feira (23) de encontros com lideranças empresariais, em Jaú, e visitou obras do Sesi, na cidade vizinha de Pederneiras.

Pela manhã, Skaf reuniu-se com empresários e prefeitos da região de Jaú, no Ciesp local. Durante o encontro, o presidente do Sistema Fiesp ouviu considerações e dúvidas da plateia formada por mais de 150 empresários e traçou um panorama da atividade econômica no Brasil pós-crise.

“As palavras de ordem agora são educação e inovação, seguidas de infraestrutura. A crise ficou para trás para a maioria dos setores, com exceção daqueles que dependem mais do mercado externo”, afirmou Skaf.

De acordo com o dirigente, a perspectiva para 2010 é muito boa, quando a economia do Brasil deve crescer de 5% a 6%.

Custo do crédito
Para Skaf, a taxa básica de juros, Selic, mantida nesta semana pelo Copom em 8,75%, poderia cair mais,porém há outros problemas mais graves, neste momento, a serem combatidos: a falta de crédito e o alto spread bancário.

“Devemos reconhecer que a batalha do setor produtivo começou a surtir efeito: os juros caíram. No entanto, se queremos garantir o desenvolvimento, temos que combater outros problemas urgentes como o alto custo do crédito. O brasileiro precisa de crédito barato e acessível”,ressaltou Skaf.

Exportações
Outros pontos debatidos entre o presidente e os gestores de Jaú e região foram as intervenções necessárias para conter a queda nas exportações e a sobrevalorização do real.

“Somos contra o aumento de impostos, mas a medida do governo federal de taxar o capital estrangeiro é importante”, afirmou referindo-se à taxação de 2% em aplicações de renda fixa ou variável, anunciada nesta semana. “Não há muito como o controlar o câmbio, mas a iniciativa ajuda pois evita as operações especulativas que só geram volatilidade e nenhuma riqueza para o País.”

Reconhecido polo calçadista, a cidade de Jaú sofreu no início da crise com o enfraquecimento do mercado externo, com queda de mais de 26% nas exportações. Mesmo assim,na avaliação deSkaf, a economia da cidade passou bem pela crise.

“Os últimos dados da nossa pesquisa de emprego Fiesp/Ciesp mostram que o setor produtivo paulista está reagindo com consistência, e não é diferente em Jaú”, disse. “Os 11 municípios que compõem a região tiveram um acréscimo de 4.750 de trabalho industriais no ano, um aumento de mais de 17%. E a tendência é que este crescimento, daqui para frente, seja sustentado”, analisou.

Criança o dia todo na escola
Durante a reunião, Skaf lembrou que tem falado muito em educação porque enxerga no ensino uma forma de dar oportunidades iguais a todos, desde pequeno. “Na infância, eu tive a oportunidade de estudar o dia todo e foi assim, com a vida, que aprendi a valorizar o ensino integral”, exemplificou.

“Por isso, à frente da gestão do Sesi e Senai de São Paulo, resolvemos criar o ensino em tempo integral que atende cerca de 120 mil alunos, com fornecimento de refeições, práticas culturais e esportivas, laboratórios de informática e de ciências. E, para abrigar este novo modelo, estamos construindo cerca de 100 novas escolas”, concluiu o presidente do Ciesp/Fiesp.

Skaf lembrou, também, a criação do ensino médio e da possibilidade da integração dos alunos do Sesi com os cursos do Senai.

Em Jaú, o Sesi, que atende mais de 850 alunos, recebeu investimentos da ordem de R$ 6,5 milhões para a ampliação do Centro de Atividades (CAT) e implantação do ensino integral, piscina aquecida, quadra coberta e grama sintética.

Já o Senai, recebeu cerca de R$ 2 milhões para a modernização e compra de equipamentos nos cursos de mecânica automotiva e eletroeletrônica.

Sobre a construção de um novo Senai em Jaú, o presidente do Sistema Fiesp afirmou que aguarda opções de terrenos por parte da Prefeitura.

“A cidade de Jaú merece um novo Senai e nós estamos empenhados nisso”,disse Skaf. “Mas somente após a escolha de área adequada à obra é que poderemos apresentar um projeto que atenda as necessidades da economia local”,completou.

Em Pederneiras, o presidente visitou a obra da nova escola do Sesi, que será inaugurada em 2010 e terá condições para oferecer ensino integral e Ensino Médio aos alunos.

Os investimentos para o Sesi e o Senai na cidade giram em torno de R$ 5 milhões. No caso do Senai, as ações têm ênfase nos cursos de informática, eletricidade, manutenção predial e desenvolvimento humano.

Mariane Corazza, Agência Indusnet Fiesp