Ciesp e Fiesp debatem soluções para preservação ambiental em Dois Córregos - CIESP

Ciesp e Fiesp debatem soluções para preservação ambiental em Dois Córregos

Em evento local, representantes das áreas de meio ambiente das entidades falam da importância do gerenciamento da água e da destinação adequada dos resíduos sólidos

Mais de 50% da mata ciliar de Dois Córregos, município a aproximadamente 220 quilômetros da capital paulista, está degradada. Para debater problemas e soluções na região, representantes da área de meio ambiente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) participaram no dia 17 de abril do encontro “Do ambiente que temos para o ambiente que queremos”, na Escola Estadual José Alves Mira.

Pela Fiesp, a gerente de Meio Ambiente, Anícia Pio, lembrou que o desenvolvimento do meio ambiente equilibrado se faz com justiça social e mobilização de toda a sociedade, inclusive da indústria.

Por isso, defendeu a representante da Fiesp, a gestão participativa ganha relevância. “O gerenciamento da escassez de água reforça a preocupação com esse bem natural. Todo mundo pagará pelo seu uso, desde a indústria ao cidadão comum, em função da Lei Estadual n. 12.183, que entra em vigor ainda este ano”, disse Anícia Pio.

Já o diretor ambiental do Ciesp, Jorge Rocco, indicou soluções para não se gerar resíduos, reduzir ou reutilizar materiais, além de dispor corretamente os rejeitos em aterros. Em sua apresentação, lembrou que o resíduo é oportunidade de negócio, além de diminuir custos diretos, mas é também um tema que requer mobilização social e instalação de pontos de entrega voluntária.

O prefeito de Dois Córregos, Chico Telles, afirmou que o processo de coleta seletiva e a usina de reciclagem da cidade entrarão em operação até o final deste ano.

Um levantamento do Serviço Autônomo de Água e Esgoto do município detectou um índice alarmante: a perda de 40% de água no sistema e o consumo de 221 litros diários por pessoa, quando o recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) é de 110.

A secretária do Meio Ambiente, Graziele Limoni, chamou atenção para o alto grau de urbanização e o fato de a área de construção civil gerar 66 toneladas/mês. Por outro lado, os pneus inservíveis já são descartados corretamente hoje.

Ecoturismo

Outras formas de sensibilização encontradas pela comunidade são a música, a poesia, o teatro e o turismo. O objetivo é impulsionar o potencial ecoturístico que a cidade oferece.

Christina Cury, presidente do Conselho de Turismo local, ressaltou a preocupação de recepcionar o turista preservando-se o meio ambiente. O turista pode desfrutar de trilhas entre cachoeiras, conhecer antigos casarões e senzalas, além de experimentar a tradicional goiabada cascão em tacho ou assistir a espetáculos de catira, dança típica que integra o folclore regional.

O encontro foi um desdobramento do projeto “Dois Córregos 2030”, lançado no ano passado, quando os temas mais votados foram meio ambiente e segurança, conforme esclareceu Eduardo Mendes Camargo (3º vice-presidente do Ciesp e presidente da Usina dos Sonhos).

“Há muitos grupos que trabalham hoje na área rural, além de ONGs e voluntários da comunidade para superar os desafios e dar direção à nossa cidade para 2030, tornando-a mais segura, melhorando qualidade de ensino e preservando o meio ambiente”, refletiu.

Camargo também reforçou a importância da troca de informações com as áreas de meio ambiente da Fiesp e do Ciesp que participa desses encontros técnicos em todo o interior do Estado de São Paulo.

Ao final do encontro, foi divulgada uma Carta de Compromisso, incentivando, inclusive, a implantação de um polo de indústria de reciclagem na região. Participaram autoridades de municípios vizinhos, como Bauru, Brotas e Mineiros do Tietê.

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp