Atividade industrial paulista apresenta crescimento modesto em maio - CIESP

Atividade industrial paulista apresenta crescimento modesto em maio

 

Agência Ciesp de Notícias

Embora tenha mostrado variação positiva, o Índice de Nível Atividade (INA) vem perdendo força e a trajetória indica que esta queda deverá acentuar-se nos próximos meses. A avaliação foi feita nesta quarta-feira (29) pelo diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Ciesp e da Fiesp, Paulo Francini.

O Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista registrou crescimento de 1% em maio sobre abril (-0,4), na série com ajuste sazonal. Sem o ajuste, o índice avançou 8,8%. “A variação de crescimento é bem modesta, que mostra perda de vigor se compararmos com os últimos doze meses”, afirmou.

De acordo com Francini, o comportamento da economia brasileira no final do ano passado já não demonstrava “pujança” e, a partir do primeiro trimestre deste ano, começaram surgir indícios de pressão inflacionária.

O diretor explicou que a indústria sofre dois efeitos no combate contra a inflação: a redução da atividade econômica, que por si só já reflete na atividade industrial; e a situação cambial deixada de lado, com uma taxa extremamente agressiva à indústria.

Perspectiva

No acumulado de 12 meses, o nível de atividade da indústria sem ajuste sazonal foi de 4,7%. Na comparação de janeiro a maio de 2010 contra o mesmo período deste ano, o índice é de 3,4%, sem ajuste sazonal.

“Este não será um ano fácil para a indústria”, prevê Francini. Há previsão de crescimento de 4% da economia brasileira, enquanto a indústria deverá crescer apenas 3%. “Olhamos com certa perplexidade para estas nuvens ameaçadoras no destino da indústria”, comentou.

Mesmo ganhando destaque entre os setores nesta medição, o setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel “não terá um desempenho brilhante ao longo do ano”, segundo o diretor. Isso porque a variação de positiva de 4,3% em maio contra abril, com ajuste, reflete a boa performance de apenas um mês.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) teve ligeira alta no mês – passando de 82,2% em abril para 83,9% em maio, na série livre de influência sazonal. Entre as variáveis do levantamento, destaque para o total de vendas nominais no período (+4,2% com ajuste).

Expectativa

A percepção dos empresários com relação ao cenário econômico no mês corrente, medida pelo Sensor Fiesp, caiu quase um ponto em junho e ficou em 50,3. “É um dos mais lineares, em que os itens aparecem próximo à neutralidade”, afirmou Paulo Francini.

A apuração deste mês registrou queda na maioria dos itens: mercado (51,2), vendas (50,5) e investimentos (50,2). Apenas os itens estoque e emprego subiram, respectivamente, de 44,3 para 47,8; e de 50,7 para 51,6. “Tudo está perto da estabilidade”, concluiu.