9º Encontro de Energia: "A menos que ocorra uma hecatombe, não teremos problemas de energia", afirma ministro - CIESP

9º Encontro de Energia: “A menos que ocorra uma hecatombe, não teremos problemas de energia”, afirma ministro

 

Ministro participou da abertura do 9º Encontro de Energia do Ciesp e da Fiesp, em que defendeu manutenção dos investimentos no setor energético
 
Em tom otimista, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, garantiu que os investimentos devem prosseguir a todo vapor. Ele ressaltou que, no cenário mundial, o Brasil ocupa o primeiro lugar em atração de investimentos neste setor, tendo recebido 13 bilhões de dólares, entre 2000 e 2006.
 
“Pelos próximos 22 anos, investiremos 61 bilhões de dólares em geração de energia elétrica e 122 bilhões em petróleo”, afirmou Lobão. “Estamos construindo cinco refinarias de grande porte e estamos entusiasmados com as perspectivas representadas pelo pré-sal, que tudo indica ter imensas reservas de petróleo da melhor qualidade, leve e fino”, garantiu.
 
O ministro mencionou projetos de cooperação com os países sul-americanos. Estão previstas a importação de 3.000 MW da Venezuela e a construção de 15 hidrelétricas no território peruano (toda energia será importada pelo Brasil, para uso ou redistribuição) e de hidrelétricas na Bolívia e na fronteira com a Argentina.
 
Lobão também declarou que o leilão para escolha das concessionárias que vão operar as linhas de transmissão e construir as subestações de transmissão de energia elétrica das usinas do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira, em Rondônia, previsto para o final de outubro, não sofrerá alterações em razão dos recentes abalos na economia mundial.
 
Matriz limpa
Defensor da construção de usinas nucleares, que hoje respondem por 80% da energia francesa, Lobão ressaltou que a matriz energética brasileira é a mais limpa do mundo, com foco na hidroeletricidade e na crescente presença do etanol, do biodiesel e da biomassa.
 
“A entrada em funcionamento das termelétricas a gás e a carvão não alterou de maneira significativa esse quadro”, garantiu.
 
O ministro lembrou que a energia eólica, cem por cento limpa e renovável, está sendo testada. “Existe potencial de implantação do Sul ao Norte do País, principalmente nos estados do Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte”, informou. “O problema é o alto dos aerogeradores”.
 
Lobão lamentou os “impedimentos ambientais” que retardaram a construção das usinas dos rios Madeira e Santo Antônio do Jirau.

Leia mais

 
 
Sílvia Lakatos
Agência Indusnet Fiesp
13/10/2008